Há muito tempo eu tenho tentado melhorar minha alimentação, e claro que alimentos orgânicos são grandes aliados para atingir esse objetivo. Mas confesso que o preço geralmente mais alto, a dificuldade em encontra-los nos supermercados, acabava minando a realização dessa vontade. No fim de 2016, eu conheci a Sociedade Orgânica, uma empresa que entrega orgânicos aqui na minha região. O cliente faz uma assinatura mensal, e toda terça, chega a feira da semana, no conforto do seu lar. Como não amar???

Primeira coisa que observamos, depois que aderimos aos orgânicos: Orgânicos não são aparentemente perfeitos como os alimentos inorgânicos, cultivados com quantidades substanciais de agrotóxicos ou aditivos. Os tamanhos variam, as folhas as vezes são mordiscadas ou imperfeitas. Porém, o mais importante de tudo, é saber que eles são exatamente aquilo que a natureza pode oferecer, sem venenos ou substâncias tóxicas.

É complicado mudar tudo que foi construído nas últimas décadas, mas a verdade é que há 20 anos atrás, quando a verdura vinha pelo produtor rural na porta da nossa casa, e os lanchinhos eram feitos por nossas mães, avós ou funcionárias de casa, tínhamos acesso a alimentos muito mais saudáveis.

Abrir menos pacotes, comprar menos produtos alimentícios, e apostar em alimentos de verdade, é a grande revolução de quem busca construir um organismo saudável.

Diminuir o acesso dos nossos filhos aos “veneninhos” embalados, cozinhar mais, oferecer frutas, verduras, legumes orgânicos, sucos naturais, carnes, e lanches do tempo da vovó!

Eu fui criada com gemada, mingau de aveia, abacate amassado com mel, vitamina de frutas, leite de vaca, manteiga no pão caseiro, ou seja, comida de verdade…

O tempo passou, e de repente a minha geração se apaixonou por suco de caixinha, embutidos, enlatados, bolachas recheadas, pacotes e mais pacotes fantasiados de comida.

É difícil inverter tudo agora, afinal todo mundo come, a TV anuncia, e o pequeno pede Kapo de Morango com Oreo recheada.

Eu não sou completamente avessa a tudo que vem da indústria alimentícia, nem quero privar meus filhos de tudo o que muitas vezes eles aprenderam a gostar. Mas estou tentando diminuir os efeitos do excesso de componentes químicos e açucares na vida deles.

Suco nas refeições na minha casa, a partir deste ano, só natural! Nossos vegetais são todos orgânicos, as frutas ficam cortadinhas na geladeira, lavadas, facilitando o acesso das crianças a lanches rápidos mais saudáveis. É mais difícil? Com certeza! É mais demorado? Sem sombra de dúvidas! Mas minha consciência está tranquila de que eu estou fazendo a minha parte.

O João Lucas ficou muito bravo com a mudança nos sucos, passou um bom tempo só tomando água, e claro que me deu dózinho dele, afinal ele era tão feliz tomando “tinta de caixinha”, mas agora ele já aceita experimentar, já aprendeu a gostar de suco de laranja, caju e maracujá, naturais! Espero que daqui para o fim do ano, o paladar dele se acostume com muitos outros sabores.

Serei persistente, não vou desistir! A saúde dos meus filhos, e da minha família, vale o meu esforço. E você? O que tem feito para melhorar a qualidade da sua alimentação?

Vamos aderir ao desafio de mudar a alimentação em 2017?

Bjo bjo bjo!