LIGA DAS MÃES: TRABALHO E MATERNIDADE!

3 de novembro de 2015

WhatsAppFacebookTwitterPinterestGoogle+Email
Hoje a Mila Miranda do Blog Mundo da Mãe, enviou uma matéria muuuito bacana para a Liga das Mães. A matéria saiu na revista Época Negócios, e fala sobre MATERNIDADE x TRABALHO. Com certeza um grande desafio para toda mãe, a conciliação da vida profissional, com a vida familiar. Para ilustrar, eu lembrei da personagem Miranda de Sex and The City, que passou de “workholic” (viciada em trabalho) à “working mom” (mãe trabalhadora) no susto. Espero que gostem da matéria, e das dicas.
Estima-se que 59% das mulheres que se tornam mães possuem a vontade de mudar de profissão. Muitas mulheres já na gestação ou no primeiro ano de vida do filho abandonam o emprego estável  e se arriscam a empreender de dentro da sua casa. O que une essas mães é a vontade de ficar mais tempo ao lado da sua família e acompanhar mais de perto o desenvolvimento dos filhos. A idéia da flexibilização dos horários é um grande motivo para essa guinada, pois dona do seu próprio negócio a mamãe poderá estar com o filho quando ele estiver doente, por exemplo, ou poderá sair no meio da tarde para acompanha-lo ao médico.
 
Essa nova realidade de maternar traz influencias da geração das nossas avós em que ficavam em casa cuidado dos filhos e das nossas mães que saiam de casa em busca de independência. Hoje o que se vê é uma mulher multifuncional, buscando o equilíbrio entre o profissional e as atividades familiares.
 
A idéia de se trabalhar em casa, ao lado dos filhos é muito tentadora e atrai diversas mães. Mas é muito importante ter em mente que ser “empresária” e ter seu próprio negócio não é fácil, a mamãe empreendedora não trabalhará menos, a idéia é o contrário, pois essa mamãe irá desempenhar várias funções dentro dessa nova realidade, ela será o marketing, a mídia social, o RH, o desenvolvimento de produtos, a área de venda, finanças…. é preciso muita disciplina e dedicação.  Na verdade o diferencial é a qualidade de tempo que terá que seu filho, você poderá participar de todas as refeições, poderá pega-lo na escola e até mesmo fazer aula de natação com ele, no entanto terá que trabalhar em outro horário e provavelmente trabalhará de madrugada, enquanto seus filhos dormem (faço muito isso gente).
 
Com planejamento, disciplina, força de vontade e dedicação é possível sim, ter uma atividade profissional em que possa ser executada de dentro de casa e até mesmo ter um bom rendimento desse negócio, aqui vai algumas dicas para as mamães que querem trabalhar em casa:
 
1.   Identificação e planejamento: 
Procure um negócio no qual você se identifica que tenha prazer em trabalhar, pois no início precisará de muita dedicação e empenho. Busque produtos ou serviços que você gostaria de ter ou que com certeza compraria para seus filhos. Faça um planejamento. Monte um planilha daquilo que fará por dia para o seu negócio evoluir;
2.     Tenha uma rotina com horários pré-fixados
Até parece pegadinha né gente! Kkkkkk, afinal de contas queremos não ter horário fixo! Mas não é! Você não precisa ter horários rígidos, mas precisa ter uma rotina para que seu trabalho renda. Se organize e otimize seu tempo para que vc trabalhe pelo menos 3 horas seguidas sem ser interrompida. Aproveite para trabalhar enquanto seu filho dorme! Isso é importante para que não vá para a cama com a sensação de que não fez nada do que deveria
3.     Não misture filho com o trabalho
 
Em que pese o negócio ser seu e vc trabalhar em casa, não é nada agradável você chegar numa loja ou mesmo pelo telefone escutar gritos de criança, isso passa a sensação de amadorismo para o negócio e a pessoa sabe que você não esta concentrada. 
 
4.     Não tenha a ilusão de que trabalhará menos e ganhará mais
 
Isso não vai acontecer, pelo menos o primeiro momento não. É importante ter pé no chão e foco, empreender não é fácil e requer muita dedicação.
 
Cuidado: Trabalhe apenas duas vezes na semana durante a noite, pelo próprio bem da sua saúde mental.
 
5.     Cuide do seu casamento
 
É comum que com tantos afazeres, deixarmos de lado o marido. Cuidado, pois o objetivo é a união familiar e se você esquecer do marido, não alcançará seu objetivo que é a qualidade de vida ao lado da família. Converse com o marido, mantenha-o interagido aos seus planos e reserve um tempo apenas para ele.”
 
 
Nossaaaa! Esse post serviu para mim, Hahaha! Porque eu virei blogueira depois de ser mãe, sem pensar tanto que a decisão tinha relação direta com a tarefa mais importante da minha vida. Hoje, percebo que os 5 conselhos acima, são extremamente válidos. Que realmente existem prós e contras na tarefa de ser uma mãe empreendedora, e que no meu caso, os prós tem sido maiores que os contras, mas isso não significa que seja mais fácil.
Espero que ajude as mamães leitoras do blog, e por favor, comentem as experiências de vocês, afinal, “uma mãe ajuda a outra”!
Para ler todos os posts da LIGA DAS MÃES, acesse (aqui). 
Bjo bjo bjo!


VOCÊ PODERÁ GOSTAR…

LIGA DAS MÃES: A FESTA DO PIJAMA DA DUDA

20 de outubro de 2015

WhatsAppFacebookTwitterPinterestGoogle+Email
Esse post é muito especial para mim, porque uma das idades mais nítidas na minha mente, foram meus 12 anos. Foi o ano que eu mudei para a região Praça Popular (que virou o “fervo” de Cuiabrasa), foi também o ano do meu primeiro beijo (isso é importante para uma menina, né!?), o período em que conheci minhas grandes amigas (AS ETERNAS), que são um dos meus alicerces na vida, irmãs que Deus me permitiu escolher. Ano da calça boca de sino (a volta dela), do tênis New Balance, das matinês na America e Get UP (duas boates que bombavam em 1992, aqui na terrinha do calor), os últimos anos dos tradicionais carnavais no Tênis Clube… Vixe! Tanta coisa! E no último dia 10 de Outubro de 2015, a minha filha, Dudinha, fez 12 anos… Minha anjinha de Deus, meu presente abençoado, meu eterno BB. Parece clichê, mas como o tempo voou! Ainda posso sentir seu cheirinho de bebê, ouvir o chorinho das primeiras semanas, lembrar dela mamando que nem um bezerro no meu peito… A única época que a minha magrelinha foi gorducha. Hahaha! A partir deste ano, combinamos que não faremos grandes festas até ela completar 15 anos, porque precisamos juntar dindin para fazer uma festa mais caprichada. Então ela me sugeriu uma festa na piscina para 10 amigas, que eu sei lá como, acabou se transformando em uma FESTA DO PIJAMA para 12 amigas. Jesus! Que responsa! Mas que mãe não se vira para ver um filho feliz?!?
Então encomendei 12 cupcakes de churros (ela ama) e 50 docinhos na Fábula de Doces, encomendei 200 salgadinhos no Saião, comprei refri e suco. Aproveitamos para fazer a festinha na casa da vovó e do vovô que estavam viajando, pois era Clube da Luluzinha, portanto o João Lucas e o papai não podiam estar presentes. Coloquei 4 colchões no chão da sala, mais os 4 sofás enormes que minha mãe tem (obrigada mamis por ter um apê pronto para festas!),  separamos jogos (Fala Sério, da Thalita Rebouças e Imagem & Ação), além do tradicional Jogo da Verdade (quem nunca???). As meninas chegaram às 19:00 do dia 10 e os pais foram orientados a buscá-las às 09:00 da manhã do dia 11!
Eu tenho feito um grande esforço para ser amiga da minha filha, porque tenho a tendência de superproteger, não deixar viajar, muito menos namorar, ou qualquer outra coisa de mocinha. Mas percebi que se eu impusesse minhas vontades, ia acabar minando a confiança dela em me contar tudo! Então engulo alguns sapos, converso sobre outros, e sempre chegamos aos meios termos, para que nossa relação seja sempre a melhor possível!
Eu montei a mesa com os doces, salgados, copos e pratos pretos, com canudos listrados e forminhas de poá. Ela falou: “Mãe, nada de tema, porque tema é coisa de criança!” Minha vontade era perguntar: “Mas você é o que menina? Hahaha!” A parte mais legal da mesa, foi a caixa surpresa (fofa que eu comprei na Renner), e que alojava uma camiseta personalizada, que eu mandei fazer na Stamp, com os dizeres: Festa do Pijama da @dudicasbyduda (o insta dela).
O cenário ficou lindo, porque minha mãe tem uma parede de fotos atrás da mesa, eu eu coloquei os cupcakes, bem alinhados às fotos da Duda quando pequetita! Tudo simples, mas feito com muito cuidado e amor.
Conversei muito com elas, descobri o quanto já pensam coisas de mulher, enquanto ao mesmo tempo, são meninas! Eu só dei uma bronca, porque elas falam muito palavrão… Coisa feia! Mas acho que elas me ouviram. Fui eleita a mãe mais legal da Terra… Estou me achando! Dançamos funk, e daí eu fui para o quarto para dar um pouco de privacidade para elas… Mas de vez em quando eu abria a porta de surpresa, para checar se estava tudo bem. Elas foram dormir às 05:00 da manhã (quanta energia!!!) porque eu obriguei! Hahaha!

 

Basicamente a Dudinha ganhou livros, porque ela realmente ama ler! As conversas foram muito bacanas, e essa experiência valeu como um mergulho profundo no universo adolescente da minha filha e das suas amigas. Acho que foi tão incrível para mim, quanto para elas.

 

  • Cupcakes e Doces Fábula: R$177,00
  • Salgadinhos Saião: R$90
  • Refris e Sucos: R$50
  • Camisetas Stamp: R$300
  • Caixinhas Renner:R$84
  • Vela/Copinhos/Pratinhos/Guardanapos/Canudos/Forminhas: 60,00
  • Total da Festa: R$761

 

Ela disse que foi a melhor festa da vida! Que delíciaaaa!!!
Espero que vocês tenham gostado do post, se quiserem ler os outros posts da LIGA DAS MÃES, acessem (aqui).  Toda terça temos novidades em assuntos de maternidade!

 

A FÁBULA de DOCES está localizada na Av. Fernando Correa, logo após a Todeschini, ao lado da Classe A veículos, para saber das novidades, siga a Fábula no Instagram @fabuladedoces, no Facebook (aqui) e no site (aqui), o telefone é (65) 3627-1488. 
Bjo bjo bjo! 


VOCÊ PODERÁ GOSTAR…

PENSAMENTOS DA MAYSA: SÓ AS MÃES SÃO FELIZES?

4 de setembro de 2015

WhatsAppFacebookTwitterPinterestGoogle+Email

 

Eu sei que hoje é sexta, venho eu com um PENSAMENTO super profundo, e tenho certeza: polêmico! Mas essas palavras me saltam o peito, e se um blog nada mais é que um espaço para dividir dicas, descobertas, truques e reflexões, sinto que devo usá-lo instintivamente para despertar o pensar em todas vocês!
Estou re-lendo o livro Só as Mães são felizes, escrito por Regina Echeverria, através de um longo e verdadeiro depoimento de Lucinha Araujo, mãe de Cazuza. Quando li a primeira vez, eu já era mãe da Duda, com 7 meses, tinha 24 anos e a menor idéia do que de fato seria a maternidade.
Achei o livro emocionante, porque sempre fui fã de Cazuza, e li querendo saber mais sobre ele… Parecia que os sentimentos da mãe, me passaram um tanto despercebidos.
Hoje relendo, diria a todas as mães, independente de suas convicções, religiões, conceitos e pré-conceitos: Leiam! Percebam o quanto apesar de nossas melhores intenções, nossos filhos são seres independentes de nós, que cortado o cordão umbilical, desligados da amamentação, dados os primeiros passos, levarão seus tombos, escolherão seus caminhos, por mais que sempre estejamos perto, tentando protegê-los.
Cazuza foi filho único, criado na primeira infância com rigidez militar, empenho e dedicação de uma mãe que só queria que seu filho tivesse o melhor futuro. Exigente, Lucinha impunha horários de estudo, acompanhava de perto, ensinava, cobrava, repreendia, batia (naquela época era normal criança apanhar), e assim foi até que ele completasse 10 anos…
Na adolescência Cazuza se rebelou, começou a matar aula, ficar de recuperação, falar que ia para escola e sumir, se vestir de forma inadequada aos padrões maternos, “fugir” da mãe, se aproximar do pai, de forma conveniente, revelando-lhe apenas o lado bom… Como se os “surtos” da mãe, fossem exageros, descompensados.
Toda mãe pensa: Onde foi que eu errei??? Mas será que de fato errou? Será que embora tracemos um padrão de vida conveniente, brilhante, fantástico para nossos filhos, não tenhamos que respeitar seus “destinos”, sua cruzes, suas encruzilhadas?
Hoje eu tenho uma pequena adolescente em casa, quase 12 anos, como ela diz. Fui bastante rígida com ela, segui padrões Içami Tiba de educação, li todos os livros do mestre. Coloquei no Ballet, Kumon, levei à missa, deixei de castigo, repreendi, estimulei… Mas senti que precisava mudar um pouco a conduta, para que ela continuasse minha “amiga”.
Agora ela me conta que seu coração pulsa pelo amiguinho tal, e minha vontade é falar: “Pára com isso menina! Você ainda é criança!” Mas eu engulo seco, faço a tática da mãe-moderna-amiga, e pergunto com naturalidade sobre este pulsar de coração. E ela me conta tudo (eu acho), me diz que só quer namorar com 13 anos (eu penso, ufa!), que agora prefere guardar seus sentimentos em segredo. Conta também que algumas amiguinhas já beijaram, que as mães não sabem, e que ela acha cedo (ufa! De novo!). Onde foi que acertei? Será que acertei?
Lendo “Só as mães são felizes”, caio na real, que foi com 12 anos que grande parte das escolhas aconteceram na minha vida. Meu primeiro beijo, as primeiras dores no coração, a primeira vez que me ofereceram cigarro, bebida, e outros perigos. Sei lá como foi que meus pais acertaram, para que dali pra frente, eu soubesse escolher caminhos que não me colocassem em uma fria!
Cazuza, fumou maconha, aprendeu a tomar Whisky, virou Hippie de Boutique, “rebelde sem calça”, como ele mesmo dizia. Deu tantas dores de cabeça à Lucinha, e demonstrava interesse zero por qualquer profissão que fosse. Frustrada, perdida, sem rumo, aquela mãe lutava sem desistir, para que seu filho único descobrisse um Dom, uma aptidão, sua missão no mundo. Todos temos uma!
Meio que por acaso, após idas e vindas, um dia Cazuza entrou para o teatro, e ali fez um musical, que o revelou cantor… Lucinha sempre na platéia, no sofá, à espera… Brigando, aplaudindo, lutando sem cansar por aquele filho que podia dar em nada, mas que ainda podia dar certo. Só as mães são felizes? Sim! E não!
O Cazuza cantor caiu de paraquedas em um conjunto (hoje a gente fala banda) pronto, chamado Barão Vermelho, isso era em meados de 1981! Pronto, parecia mágica, que aquele grupo de garagem, meio tosco de início, começou a escrever história na música brasileira. E Cazuza, descobriu seu Dom, transformar a vida em poesia! Um letrista rebuscado que começou falando de amores frustrados e terminou instigando o jovem nacional se posicionar!
Ideologia! Precisamos, queremos, devemos, ter uma para viver! Brasil, que forte, o menino de Lucinha conseguiu falar com o BRASIL, e exigir-lhe postura, decência, pulso firme, para mostrar a sua cara… Então 25 anos após a sua morte, Cazuza faz o maior sentido! Todo sentido! e deixou páginas e páginas de palavras “mágicas”, que embalaram amores, fizeram fundo às dores, e que impulsionam nosso pensamento crítico, como se tivessem sido escritas ontem a noite, logo após as notícias do Jornal Nacional!
Lucinha diz que foi muito feliz, ao ser tiete número 1 de seu filho, que apesar dos porres, e das loucuras, ele foi de fato muito próximo, muito carinhoso e muito grato em seus 10 últimos anos de vida. Ele foi o melhor amigo de seus pais, e vice-versa, ele foi transparente, sincero, provocou dores, mas provocou amores, flores…
Na platéia ela assistiu Cazuza existir, e no fim teve que vê-lo partir… Devagar, com dor, com sofrimento… Logo agora, depois que o menino virou homem-artista-respeitado-aclamado… Logo agora que ele sabia que queria lutar por um país melhor, logo agora que ele tinha em seus pais, uma proximidade sem barreiras ou bloqueios…
E com 32 anos, em casa, fraco, debilitado ao último grau, ele se foi! Fechou os olhos de vez, e se despediu daquela mãe que tanto o amou! Daquele pai que se apaixonou pelo filho, que se tornou seu grande amigo… Nossa, que dor!
Hoje, eu, Maysa, mãe de uma menina de 11 e um menino de 5, sinto meu peito apertar de dor, quando leio as palavras de Lucinha… Mas sou grata por tudo que ela me revelou, de forma tão verdadeira, e transparente, neste comovente depoimento.
Pouco tempo depois de sua morte nasceu a SOCIEDADE VIVA CAZUZA, que abriga crianças portadoras do HIV, ajudando-lhes a ter tratamento adequado e uma chance na vida. Um dia, sentada no escritório da Sociedade, Lucinha, se pegou chorando de saudade… Sua dor foi interrompida pelo barulho das gargalhadas da criançada no pátio. Ela olhou pela janela, e sentiu um alívio inexplicável no peito. Tinha um pouquinho de Cazuza, em cada criança que corria ali. Foi sua obra, foi sua história, foi sua coragem em vir a público, dizer: “Eu tenho HIV”, que fez com que tudo aquilo ali fosse possível…
Lucinha há mais de 20 anos, é “mãe” de cerca de 140 pequenos Cazuzas, abrigados pela Sociedade Viva Cazuza, para que possam crescer com tratamento médico, educação e dignidade. Dali saem para mundo jovens que tiveram uma chance na vida, de construir uma história diferente daquela que nasceram “fadados” à viver!
Para mim, o desejo de que eu possa conduzir a vida dos meus filhos por um caminho do qual eu me orgulhe. Que eu saiba respeitá-los em suas individualidades, que eu não os perca para vida, e nem os sufoque, que eu seja sempre a casa para onde eles retornem, e que Deus me permita entender os dissabores, e aproveitar as flores…
Bjo bjo bjo de Mamãe, Maysa! 


VOCÊ PODERÁ GOSTAR…

INSTAGRAM

Error: Access Token is not valid or has expired. Feed will not update.
This error message is only visible to WordPress admins

There's an issue with the Instagram Access Token that you are using. Please obtain a new Access Token on the plugin's Settings page.
If you continue to have an issue with your Access Token then please see this FAQ for more information.

@MAYSALEAO